Ela escreve, ele fotografa. Os dois, agora juntos num segundo capítulo.

Spring fever / Spring is here at last / Spring fever / my heart's beating fast*

Este ano nem dei pelo Inverno a passar! A licença de maternidade começou um pouco antes do equinócio de Inverno mas a visita a Portugal nessa altura fez esquecer os primeiros dias. Depois, um bebé a nascer bem antes do tempo, deu-me suficientemente que fazer para me perder totalmente na passagem dos dias. Lembro-me, claro, de estar no hospital e saber que estavam -10 graus lá fora, enquanto nós abríamos as janelas para entrar um pouco de ar no quarto. Não nevou nada que se visse: sempre que caíram alguns flocos, nunca foram suficientes para que um manto branco de estendesse sobre a cidade e o campo durante muito tempo.

A chegada da minha Primavera fez-se em duas ocasiões distintas: quando alguém, numa rede social, anunciou que a Primavera chegaria já nessa semana e eu nem queria acreditar; quando, nos afazeres diários pelo bairro, vi despontarem árvores e flores. Fico sempre intrigada com a Primavera aqui: ainda não chegaram as temperaturas amenas (as manhãs ainda continuam entre os dois ou três graus Celsius) mas a Natureza faz o seu trabalho na mesma. Explodem as magnólias, enchem-se as cerejeiras do mais efémero casaco branco, o verde torna-se mais verde. Os trabalhos de jardinagem começam por todas as casas do bairro, ouvem-se os corta-relvas manhã adentro, os relvados são devidamente aparados e cuidados. A comuna troca as plantas e flores nos passeios, jardins públicos e rotundas pelas espécies mais delicadas e que precisam de mais Sol e calor.

Plantei algumas ervas aromáticas na nossa cozinha para aproveitar o Sol que já vai aparecendo à tarde mas as sementes parecem ter perdido a força e só consegui uns pés de mangericão realmente dignos desse nome. De resto, uma ervas dificeis de distinguir e sem cheiro, impossíveis de usar para cozinhar. No quintal, despontaram algumas flores ao acaso sem que as tenha plantado: suspeito que as sementes tenham sido transportadas pelos pássaros ou então são restos deixados pelos antigos inquilinos. Agora apenas nos resta ir cheirar a força da Primavera em Portugal, deixando casacos para trás e absorvendo toda a vitamina D possível debaixo do céu mais azul. Estamos em contagem decrescente, dia -3!

* como cantava o Elvis.

Uma outra Bruxelas